Início » Surfar ou Afundar?

Surfar ou Afundar?

Por Redação

Por Lívia Aparecida de Almeida e Sousa

Imagine, você, em frente a uma praia paradisíaca. Águas cristalinas. Brisa refrescante. Sol brilhando. Céu de Brigadeiro. De repente, o tempo fecha. Nuvens escuras se aproximam rapidamente. Rajadas de ventos fortes. Chão estremece. Recuo repentino das águas pré-anunciando o Tsunâmi que se forma bem na sua frente.

Foi, mais ou menos, isso que aconteceu no início da Pandemia provocada pelo Covid -19 em 2020 em várias áreas de nossa sociedade. Mas, no sistema educacional, a tragédia anunciada toma novas proporções. Ensino Remoto Emergencial (ERE), Ensino a Distância (EaD), Ensino Híbrido, Tecnologia Digital de Comunicação e Informação, esses entre outros termos que foram lançados ao mar de desconhecimento no campo didático e pedagógico em muitas realidades em nosso país e também em outras partes do mundo. 

Pais sem saber o que fazer com os filhos em casa. Professores Youtubers e Designers Educacionais tendo que se reinventar para trabalhar seus conteúdos.  Gestores de escolas públicas e privadas sem planejamento para conduzir o ano letivo em seus contextos. Escolas públicas sem aparato para fornecer minimamente apoio e estrutura tecnológica para suas equipes. Escolas privadas demitindo funcionários e também sem saber exatamente como agir diante do inesperado. Alunos de todos os níveis – da alfabetização ao ensino superior – tendo que interagir com plataformas virtuais de aprendizagem, muitas vezes silenciando seus microfones e fechando suas câmeras, quando possuíam esse recurso, é claro (como a pandemia revelou o imenso abismo digital da grande maioria da população brasileira).

Sabíamos, pelo resultado do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), que nossa colocação, no cenário internacional sobre o desempenho dos estudantes, não ia nada bem. A nota geral do Brasil está entre as mais baixas do mundo nas três áreas avaliadas, leitura (58º e 60º lugar em leitura), matemática (72º e 74º em matemática) e ciências (66º e 68º em ciências), resultados divulgados no quarto trimestre de 2019 – por conta das dificuldades enfrentadas com a pandemia de COVID-19, os países-membros e associados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) decidiram adiar a avaliação do Pisa 2021 para 2022 e do Pisa 2024 para 2025.

Mas, diante da realidade que se sobrepõe, que atitude tomar? Não existe fórmula mágica ou uma receita de como sobreviver a uma tragédia (anunciada há tempos no campo da educação, diga-se de passagem). Lamentar, procurar por culpados, cruzar os braços ou ficar paralisado diante do medo só nos levará ao esgotamento físico e mental e naufragaremos. Por outro lado, podemos buscar compreender a complexidade a nossa volta exercitando a empatia, interferir no que for possível, como pais, professores, gestores e cidadãos. Podemos, também, aproveitar para nos capacitar, por meio dos cursos ofertados no ciberespaço e por “lives” nacionais e internacionais com especialistas do Brasil e do mundo, realizadas gratuitamente, em grande parte. Ou seja, surfar sobre o Tsunâmi ou deixar-se levar por ele? 

Notícias Relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Entendemos que você está de acordo com isso, mas você pode cancelar, se desejar. ACEITAR Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies
X